Aquele dos Strawbees

Um dos meus sonhos de infância era ter uma casa na árvore. Como não tinha uma árvore no quintal pra ser a escolhida, estive bastante satisfeita em fazer esporadicamente cabaninhas com cadeiras e lençol, brincar em playgrounds ou entrar na Barraquinha da Eliana e ficar lá com os meus brinquedos.

Não que isso seja importante pra introduzir o assunto, mas, sim, é claro que tem a ver. Porque minha fissura com brinquedos que permitem que a gente entre dentro, como labirintos de papelão, por exemplo, continua.

Image

Então ontem (na verdade já era hoje, mas como dormi muito, parece ontem), quando conheci o projeto dos Strawbees, fiquei toda louca pra ter um desses!

Eles são, sumariamente, chaves sintéticas perfuradas que se encaixam de formas diversas, e podem ser unidas com materiais como canudinhos, criando incontáveis possibilidades para as coisas a ser montadas.

Image

Estão à venda num site de compras coletivas no estilo da Catarse, porém com sua versão internacional, Kickstarter. A lógica da compra coletiva é que eles precisam de financiamento para fazer o projeto. Quanto mais dinheiro tiverem, mais poderão incrementar ou baratear o produto. Pra isso, há algumas opções de “doação” com retorno proporcional ao valor. Por exemplo, se pago US$ 15, ganho 40 strawbees. US$ 25, 100 strawbees. US$ 40, 300 strawbees. Vocês entenderam.

Image

Com mais peças, mais coisas podem ser criadas – ou coisas maiores!

É um primeiro passo (junto com Lego, hehe) para colocar as crianças no mundo dos inventores e construtores, arquitetos e artistas! E potencializar a criatividade, colocando a mão na massa!

Na descrição das vendas, eles dizem que é um produto pra todas as idades. Será que 18 anos e meio é velho demais pra querer fazer um planetário de canudinho pra mim?!

Image

No vídeo, muitas ideias iniciais pra quem precisa de inspiração! Vamos lá?

 

 

Advertisements

Aquele do Homestyler

Nessa de pensar em fazer arquitetura, tenho procurado vários programas que permitem fazer projetos. Dentre essas pesquisas, achei uma que merece ser compartilhada por aqui. O Autodesk Homestyler. 

O que é bacana nele é que a renderização é ótima. Especificamente, você cria a planta em 2D, mas tem o recurso para vê-la em 3D.

Já tinha visto alguns projetos feitos nesse programa antes, mas não sabia que vinham daí. Quando procurei se alguém sabia onde tinham sido feitos, me falaram do 3DS Max. Que também é muito, muito bom, porém infinitamente mais complicado.

O Homestyler tem poucos defeitos, em minha opinião. Um deles é que a plataforma é somente online. Pelo menos não encontrei meios fazer o download. Outro defeito, controverso pra mim, é que não dá para editar a mobília. Por um lado, isso nos deixa menos opções. Por outro, isso faz o programa mais simples. Por isso disse que é controverso.

E o melhor dele é que é facílimo de usar. Mesmo. É completamente intuitivo e bonito. Mais tranquilo que jogar The Sims 2.

Abaixo, algumas instantâneas dos “projetos” que criei. 

Image

sala contemporânea #1 planta baixa

Image

sala contemporânea #1 3d vista frontal

Image

sala contemporânea #1 3d vista dorsal

Image

casa moderna #1 planta baixa

Image

casa moderna #1 3d vista frontal

Image

casa moderna #1 3d vista dorsal

 

E aí, alguém se arrisca a tentar?

Aquele da Arquicultura

Estreou esse ano, em abril, apesar de só agora eu ter tomado esse conhecimento, o documentário Archiculture, que traduzi livremente como arquicultura.
É um filme sobre o ensino de arquitetura, seus melhores e piores pontos, alguns problemas próprios do ambiente acadêmico (que nunca é equivalente ao trabalho real, vocês bem sabem), a visão da nova geração e o que se espera para o futuro.
No vídeo, o trailer. No link, a página do documetário. http://archiculturefilm.com/

Aquele da comunidade hobbit

Image

Isso mesmo! Simon Dale, britânico, arquiteto, tomou frente de um projeto que fará muitos olhinhos, como os meus, brilharem. Ainda em 2014, o Arquipélago de Estocolmo terá construída a primeira de cerca de 350 casinhas de hobbit, que irão dessa vez abrigar a nossa espécie (elfos, hahaha). Uma das principais características do projeto é ser ambientalmente correto, usando energia solar e material de construção extraído das próprias terras. O conjunto deve ser sustentável e sem dúvida vai fazer sucesso, colocando as pessoas de volta ao contato com a natureza. O autor da ideia é praticante da bioconstrução e mora na primeira ecovila de baixo impacto, em Gales. No site, mais informações sobre o projeto: http://simondale.net/

Image

Image

Image

Agora é só esperar… Estocolmo que me aguarde 😉

Aquele da caneta 3D

Parece que estamos finalmente chegando naquele futuro tecnológico e (quase) acessível que os filmes e livros da ficção tanto tentaram prever. A novidade da vez é uma caneta que escreve em 3D. Isso mesmo! Uma caneta! O princípio básico é como o de uma impressora 3D – ou seja, cola quente que seca rápido. A diferença é que essa até dá pra pessoas normais comprarem. O preço da pre-order está por $99, com a “tinta”. Algo em torno de R$200,00, mais o envio, que tirando a Rússia, Austrália e Nova Zelândia, ficará por menos de $15. Alguém se prontifica a me dar um presente desses?

Já posso até imaginar minhas criações a partir de um brinquedo como esse. ~libertando a criança que há em mim ~ hahaha

O vídeo mostra a caneta funcionando. Bem impressionante! Quando (melhor dizendo “Se”) eu tiver minhas obras de arte, posto por aqui. Bonne chance!

http://www.the3doodler.com

Aquele das plantas de séries!

Conheci esse trabalho há relativamente pouco tempo. Aparentemente, a autora (autor?) das obras se chama Inaki Aliste Lizarralde, e a proposta parece ser montar com certa precisão os apartamentos dos nossos personagens preferidos de séries e sitcoms sempre atuais. Como no momento estou com uma queda gigantesca por Arquitetura, esses desenhos me encantaram ainda mais – afinal, é quase um crime dizer que isso é só bacaninha. Confiram nas fotos os apartamentos de Dexter, How I Met Your Mother, Friends e The Big Bang Theory.

Image

Image

Image

Image